sábado, novembro 19, 2011

Porque hoje é Sábado... (Actualizado)

Photobucket
(foto retirada do blogue "Notícias de Colares")

Vendaval ou poda? Post do "Notícias de Colares"-Aqui

A foto demonstra o estado em que ficaram as tamargueiras depois de um misterioso "desbaste" que sofreram nos últimos dias - arbustos que se encontram em frente à "Escola Oficial das Azenhas do Mar", imóvel de grande valor patrimonial para Sintra.

Hoje esclareci o mistério para o escandaloso estado em que ficaram os arbustos, ao passar pela equipa ao serviço da (CMS?) entre Almoçageme e o Pé da Serra, em acção com um tractor com corta bermas. Não foi portanto uma poda nem um vendaval -foi somente mais uma barbaridade!!!

Photobucket
Era um equipamento semelhante a este que hoje estava em acção entre Almoçageme e o Pé da Serra

Actualização 20-11-2011

Azenhas do Mar

O estado das tamargueiras, além da destruição dos arbustos, são neste momento um grande perigo. Estando junto à berma da estrada com ramos pontiagudos, consequência da bárbara intervenção da equipa (CMS?)- qualquer queda de adulto ou criança, para aquela berma poderá ter consequências graves - ter em atenção a existência da escola mesmo em frente.

Photobucket



Photobucket

Vila Velha
(centro histórico)
A substituição pela CMS, de um dos plátanos abatidos na Vila Velha...
Photobucket
Por pedras de calçada!!!! (foto de 19-11-2011)

Antes
Photobucket

Foto do que restava do plátano abatido na Vila de Sintra - o local do outro plátano abatido ainda não estava calcetado, mas parece ter a mesma solução. (foto de 11-11-2011)

11 comentários:

Anónimo disse...

Muito obrigado Pedro por mais este post, que demostra bem o desenterece,o desrespeito e o proficionalismo que a nossa freguesia, e o pais em geral e tratado.

António F.

Anónimo disse...

Tamargueiras e não tramagueiras.

pedro macieira disse...

Obrigado pela correcção.

Fatyly disse...

e tristemente entre Fontanelas e Gouveia!

Anónimo disse...

bem k ja precisava entre Fontanelas e Gouveia...

Anónimo disse...

Na R. D. João de Castro também estão a calcetar, tal como aconteceu noutros casos, como na EN (ainda há poucos meses junto à Casa do Preto desapareceram umas 3/4 tílias) e na Av. Barão Almeida Santos, etc..
(Deve ser o resultado de termos "calhaus" à frente dos nosso destinos)
sintrense

Anónimo disse...

de relembrar o que aconteceu a uns anos quando caíu uma arvore por cima de pessoas que estavam a fazer um pic-nic em sintra... uma tragédia... a conclusão que tiro é que é muito dificil agradar a todos... se as coisas estão por fazer reclamamos, quando são feitas continuamos a reclamar... Isto não quer dizer k não concordo com o facto de poderem ter tido maior "atenção" com as tamargueiras nas Azenhas mas por exemplo na estrada para Fontanelas havia uma curva sem total visualização devido as canas

Anónimo disse...

tenho mais ainda a dizer, a 2 anos tinha o carro estacionado e com o vento caiu umas ramadas de platanos em cima do meu carro devido a falta de manutenção.Provocou danos no valor dos 1.000€, tive 1 ano a espera do reembolso, um problema que podia ter sido evitado...

Anónimo disse...

se se tropeçar no monte de terra ou nos ferrinhos e cair para a estrada ... a culpa deve continuar a ser do plátano que nunca lá devia ter estado...

Anónimo disse...

a culpa é por nao estar atento... se tiver a olhar com olhos de ver repara no monte de terra ou nos ferrinhos!!!deve-se evitar certas coisas como a perda de vidas ou bens por falta de manutenção bem a vista... ou seja a morte das pessoas em sintra foi culpa delas pois nao deviam ir para de baixo do platano e a situação da minha viatura tb pois apsar de ser um estacionamento i platano ja la estava... bom raciocinio...

pedro macieira disse...

Sobre o abate de árvores ( texto que subscrevo totalmente):

"(..)a opinião da Árvores de Portugal, enquanto associação, é que o abate de uma árvore só é justificável quando a mesma representa um iminente perigo para a segurança, facto confirmado por um relatório credível executado por um técnico em arboricultura.

Ou, em alternativa, quando o abate se fica a dever a situações imponderáveis como a necessidade de ampliar um hospital, por exemplo. Ainda que nesta eventualidade, se possível, se possa e deva fazer o transplante da(s) árvore(s) em causa.

Excecionalmente, também poderemos concordar com o abate de espécies invasoras, quando estas representam um evidente foco de propagação dessa espécie e uma ameaça à flora nativa.
(...)
Por último, mas não menos importante, ainda que existissem motivos para abater estas árvores, nomeadamente as tílias, isso seria uma admissão de culpa da CM de Sintra, face à forma como trata as suas árvores. Pois se uma árvore tem que ser abatida precocemente é porque quem a mandou abater não a soube cuidar. As rolagens acabam sempre mal..