domingo, fevereiro 05, 2012

Há 65 anos um avião de passageiros da Air France despenhou-se na Peninha

"A 1 de Fevereiro de 1947, a corporação de Bombeiros (de Cascais) foi alertada para um acidente de aviação ocorrido junto da Peninha na Serra de Sintra.Um avião Dakota da companhia Air France tinha embatido num dos cumes da serra de Sintra, devido a avaria no sistema de comunicações, tendo morrido 16 pessoas (11 passageiros e 5 tripulantes). Salvou-se um único passageiro, de nome Pierre Léonard, que foi socorrido por um popular que morava ali perto e o conduziu ao Hospital de Cascais. Restou aos nossos voluntários conjuntamente com outras corporações, extinguir um pequeno incêndio que o avião provocou e retirar os corpos calcinados das vítimas."

*Texto retirado de "Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Cascais-125 anos ao Serviço da População" da autoria de Manuel Eugénio Fernandes da Silva

Photobucket
*Foto retirada do blogue Serra de Sintra

Em 1 de Fevereiro de 1947 um avião Dakota, da carreira Paris-Lisboa, embateu na serra de Sintra. Morrem 16 pessoas.

Photobucket
A Air-France, inaugurou a ligação França -Portugal em 15 de Maio de 1946, com um voo semanal Paris -Bordéus -Lisboa com aviões DAKOTA DC-3, na foto.

*Mais informação sobre o acidente no blogue "Serra de Sintra" -Aqui

3 comentários:

Carlos José Santos disse...

Estes é que eram de facto os tempos da aviação heróica.
Voar de Paris para Lisboa num Dakota é obra, mesmo que pelo meio tenham ficado uma ou duas escalas. Foi no ano em que nasci (1947), mas, isto foi muito falado, passados muitos anos ainda se comentava a queda do avião na Peninha. Ainda hoje estamos aqui a falar dele passados 65 anos.

Fatyly disse...

Desconhecia por completo. Tenho 61 anos mas o meu pai que os pilotava em Angola contava-nos imensas coisas, mas disto não me recordo . Obrigado

pedro macieira disse...

Na pesquisa para este post, percebi a fragilidade dos DAKOTA -os muitos acidentes com os utilizados pela Air France, em que se inclui o acidentado na Peninha (curiosamente não fazendo parte da lista dos acidentes daquela companhia francesa), demonstram os níveis de segurança da aviação nos nossos dias.
Abraços