segunda-feira, dezembro 26, 2011

Sobreiro, Árvore Nacional de Portugal

Photobucket
Sobreiros do Parque de Monserrate, em que nunca foi retirada a cortiça

A partir da última quinta-feira, 22 de Dezembro, o sobreiro é a Árvore Nacional de Portugal, depois de um projecto de resolução aprovado, por unanimidade, na Assembleia da República e de uma petição pública com 2291 assinaturas.
A petição para consagrar o sobreiro (Quercus suber) como um dos símbolos do país foi lançada em Outubro de 2010 pelas associações Árvores de Portugal e Transumância e Natureza. Hoje, passado pouco mais de um ano, o sobreiro conquistou o hemiciclo.

“A partir de agora, abater um sobreiro não será apenas abater uma árvore protegida, mas sim, um símbolo nacional”,

Jornal Público -ler notícia -aqui

"As Associações Árvores de Portugal e Transumância e Natureza relembram que o dia de hoje é um ponto de partida e não um ponto de chegada. Muito há ainda a fazer na defesa desta espécie. Como sempre, estamos inteiramente disponíveis para continuar a lutar, com aqueles que a nós se quiserem juntar, na defesa das causas relacionadas com o sobreiro e os seus povoamentos."
Árvores de Portugal -ler post -aqui

4 comentários:

António disse...

Pedro:

De lembrar, também, a magnífica Sobreira dos Fetos!

Abraço e votos de Boas Festas.

António Lourenço

Anónimo disse...

Sorte dos Sobreiros... não "viverem" em Sintra!

Anónimo disse...

"A Quercus está a denunciar o abate de mais de mil sobreiros e mais de quatro mil azinheiras, devido à construção da barragem da Foz do Tua, autorizado pelo governo."
Só se as árvores emigrarem também...
sintrense

pedro macieira disse...

António,
Agradeço o comentário - aqui fica um apontamneto sobre a "sobreira dos Fetos:

"Nos jardins da Quinta do Relógio encontra-se abundante vegetação exótica, plantada desde logo pelos seus primeiros proprietários. Porém, o que deveras fascinou o poeta inglês Robert Southey (1774- 1843) foi a imponência de um magnífico e muito antigo sobreiro — porventura vetusto vestígio da flora indígena —, sobre o qual escreveu: «Há (...) aqui uma árvore tão grande e tão velha que um pintor deveria vir de Inglaterra só para a ver. Os troncos e os ramos são cobertos de fetos, formando com a folhagem escura da árvore o mais pitoresco contraste»."
Texto da CMS
Assunto que a que volatrei em breve.
Abraço