domingo, abril 25, 2010

No dia em que Salgueiro Maia partiu para Lisboa

2f20ef80
Salgueiro Maia(foto de Alberto Frias, Jornal Expresso)

"Pela uma e trinta, Salgueiro Maia manda acordar todo o pessoal presente na EPC e formar na parada, a fim de que o comandantes de esquadrão (capitão Tavares de Almeida e tenente Santos
Silva) ponham o pessoal ao corrente da situação e da finalidade e objectivos do Movimento.
A adesão do pessoal é entusiástica e incondicional. A dura prova a que foram sujeitos quarenta dias antes, quando obrigados a participar no cerco aos camaradas sitiados no RI5 das Caldas da Rainha, está ainda por desagravar. É aquele o momento. Todos exigem a sua integração na coluna que se vai formar para seguir para Lisboa.Há problemas de selecção.Dos quinhentos militares em serviço na EPC, só poderão participar duzentos e quarenta na marcha até ao Terreiro do Paço. cento e sessenta atiradores e um esquadrão de reconhecimento e dez viaturas blindadas.
(...)
Salgueiro Maia comandará a força, tendo o tenente Assunção como seu adjunto. A EPC fica comandada pelo major Rui da Costa Ferreira."

Em "Alvorada em Abril" de Otelo Saraiva de Carvalho

Depois do Terreiro do Paço o Largo do Carmo

6 comentários:

Fatyly disse...

Salgueiro Maia foi um grande homem e para mim será sempre "o meu ícone da LIBERDADE".

Otelo, Rosa Coutinho e mais tarde Mário Soares (que também nos mergulhou na maior crise de 80 a 86)), três personagens a quem jamais prestarei qualquer homenagem e nada do que digam ou possam fazer eu assinarei por mil motivos que agora não me apetece escrever!

25 de Abril SEMPRE e SEMPRE!

Toma uma abraço sincero e obrigado por este momento

Anónimo disse...

Foi sem dúvida uma HONRA ter assistido a esta mudanca no nosso País! Mas, infelizmente foi uma mudanca nao acabada pois os carrascos nao foram nunca a julgamento!
Viva Portugal livre do fascismo!

Anónimo disse...

Viva !
sintrense

pedro macieira disse...

Obrigado pelo comentários.
Abraços

barãodalapa disse...

Essa senhora Fatyl anda muito mal informada. Comparar a figura ímpar de Mário Soares com Rosa Coutinho ou Otelo é de uma ignorância absoluta do que se passou em 74 e 75. Além do mais, não foi Soares que nos mergulhou na crise dos anos 80, ele herdou uma situação dfícil e resolveu-a com medidas corajosas, ao mesmo tempo que punha o país na CEE.

Anónimo disse...

Comparar ROSA COUTINHO a Otelo não tem graça nenhuma. ROSA COUTINHO sempre foi um homem coerente. Otelo é um catavento